Pular para o conteúdo principal


É uma história emocionante que te instiga e faz pensar na história de uma forma diferente, uma das frases da autora é que "História é o que se escreve é não o que acontece". Sobre esse aspecto ela conta o descobrimento do Evangelho de Maria Madalena, texto que teria sido escrito pela própria Madalena. O texto tem uma sensibilidade enorme para tratar do tema, e levanta vários pontos importantes sobre o cristianismo e principalmente de como a história de Maria Madalena foi relegada a segundo plano por motivos políticos e sociais.
A autora é Kathleen McGwan que começou sua carreira como jornalista de revistas. Com 21 anos, mudou-se para a Irlanda para trabalhar como jornalista especializada em assuntos políticos da Irlanda do Norte. Durante sua temporada no país, ela estudou folclore, mitologia e a tradição oral da Europa e do Oriente Médio. O Segredo do Anel: o Legado de Maria Madalena é seu primeiro livro. Para escrevê-lo, Kathleen McGwan baseou-se nas pesquisas que fez por mais de 20 anos em quatro continentes, em busca da verdade por trás da lenda do evangelho perdido de Maria Madalena. Dentre as inúmeras fontes utilizadas, estão as múltiplas versões dos evangelhos apócrifos, os textos dos fundadores da Igreja, diversos documentos gnósticos, os pergaminhos do Mar Morto, além de toda a tradição oral passada ao longo das gerações na mística região do Languedoc, sul da França.
Vale a leitura! Emociona e te traz um novo ângulo de uma história tão conturbada e envolta em névoas! Ótimo fim de semana pra todos!

Comentários

james p. disse…
Rodrigo,parece ser um livro muito instigante.Obrigado pela indicação.òtimo final de semana e abração.
Camila disse…
Você me deixou com muita vontade de ler esse livro. Esses temas polêmicos sobre religião sempre me interessam. Obrigada pela dica!

Um ótimo fim-de-semana pra você!

Beijos!
Rodrigo Brower disse…
Camila tb adoro esses temas de religião, espiritualidade e afins! Bjss
Parece ser um excelente livro mesmo.

Eu gostei da releitura que Mel Gibson fez do filme A Paixão de Cristo. Achei interessante a forma como ele abordou alguns pontos, mas ele exagerou no sangue.

Vou procurar pra ler esse livro.

Bjs
FOXX disse…
teria sido escrito não...
os coptas, versão do cristianismo que existe no Egito, tem na Bíblia deles um evangelho escrito por Maria Madalena... mas pensando bem é teria sido escrito mesmo porque é atribuído a Madalena, quem pode ter certeza q foi ela mesma q escreveu né?
Rodrigo Brower disse…
Então Fox eu sei sobre os coptas..mas o "teria escrito" é sobre o q vc falou mesmo..a questão não é provas..mas crença. Vc é historiador né! Depois desse livro fiquei com vontade de fazer algum tipo de especialização na área...
DO disse…
Tipo de leitura que me agrada muito,Rodrigo. Valeu a dica.

Abração!!
Babi Mello disse…
Oi! Rodrigo não sei se você viu que uns meses atrás esse livro estava postado como sendo lido no momento. O livro é bom e senti que ele é parecido com o Código Da Vinci de Dan Brown, afinal os temas são parecidos.
Bj!
Sandra Timm™ disse…
Mais uma boa sugestão anotada. Se vem do Rodrigo, pode ter certeza que vale a pena conferir!

Bom fim de semana!!!!

Beijo
Anônimo disse…
Creio que quem é religioso, sabe muito bem da historia de MARIA MADALENA, eu aconselho tambem a lerem.

É uma otima leitura, nós reflete muita coisa, eu não conheço muito, mas tenho uma noção;

Vale a pena LER.
Abraçoes ;)
Luzinha disse…
Vou atras desse livro, deve ser fascinante a história...
beijos
Pedro disse…
Não gosto muito desses temas religiosos, espirituais e afins...
Déia disse…
Gostei da dica, eu devoro livros, adoro ler e ter idéias...
Vou atras deste também! bjs e bom fds

Postagens mais visitadas deste blog

Apego

Um dia, o Buda estava sentado na floresta com alguns monges. Eles tinham acabado de almoçar e já iam começar um compartilhamento sobre o Dharma quando um fazendeiro se aproximou deles. O fazendeiro disse: “Veneráveis monges, vocês viram minhas vacas por aqui? E tenho dezenas de vacas e elas fugiram. Além disso, eu tenho cinco acres de plantação de gergelim e este ano os insetos comeram tudo. Eu acho que vou me matar. Eu não posso continuar a viver assim”.
O Buda sentiu forte compaixão pelo fazendeiro. Ele disse: “Meu amigo, me desculpe, não vimos suas vacas vindo nessa direção”. Quando o fazendeiro se foi, o Buda se voltou para seus monges e disse: “Meus amigos, sabem por que vocês são felizes? Porque vocês não têm vacas para perder” Buda era contra bens materiais? Não! Ele queria  apenas que não fôssemos apegados a elas! Devemos viver no mundo mas sem precisar dele, conviver, amar as pessoas, sem dependência, viver o agora sem expectativas pelo futuro, deixar o passado e viver a etern…

Estresse - Osho

Todas as metas pessoais são neuróticas. O homem sintonizado com a essência das coisas consegue entender, sentir que: "Eu não sou separado do todo, e não há necessidade de estar elegendo e procurando concretizar algum destino por mim conta. Os fatos estão acontecendo, o mundo continua girando - chame isso de Deus...   Ele está fazendo coisas. Elas acontecem por vontade própria. Não há necessidade de que eu trave alguma luta, faça qualquer esforço; não há necessidade de que eu lute por coisa alguma. Posso relaxar e simplesmente ser"   O homem essencial não é um fazedor. O homem acidental é um fazedor. Por isso, o homem acidental vive naturalmente com ansiedade, tensão, estresse, angústia, sentado o tempo todo sobre um vulcão. Esse vulcão pode entrar em erupção a qualquer momento, porque o homem vive num mundo de incertezas e acredita que pode tomar as coisas como certas. Isso gera tensão em seu ser: lá no fundo ele sabe que nada é certo.
O Tarô Zen, de Osho: Carta - Estres…

108 contos e Parábolas Orientais - Por Monja Coen

Sou do tipo que ama andar na livraria esperando que algum livro me escolha, sempre acabo na parte de livros espiritualistas, zens, etc. Essa semana fui escolhido por 108  Contos e Parábolas Orientais, são contos Zens, chamados também de koans o Osho e o SatyaPrem sempre contam algumas dessas histórias, eu até anotava algumas em um caderno, por que são de uma reflexão tão profunda, que precisam sempre ser revisitadas. Agora a maioria delas em um único livro facilita bastante... A monja Coen explica que a partir dos principais nomes da tradição budista que ela faz parte (Soto Zen Budismo) reuniou os principais contos e acrescentou uma reflexão para cada uma delas. É um livro ótimo, mas sou suspeito nessa avaliação.
Bjs.