Pular para o conteúdo principal

Dependa apenas de si mesmo


Esse é o segredo para alcançar e manter uma boa auto-estima sem se abalar com o que os outros pensam a seu respeito. Eu já havia falado que, durante o nosso processo de amadurecimento, existe uma parte de nós que insiste em não crescer. Nesta semana, continuaremos, portanto, a trabalhar essa parte com o intuito de nos libertarmos de falsas interpretações e assim garantir a harmonia em nossas vidas.

Para começar, quero reforçar a seguinte idéia: a paz interior só se fará presente quando você se bastar. Só você! Pare, portanto, de se preocupar com a opinião alheia. Lembre-se de que quem está dependente do outro tem de estar preparado para tudo: não só receber elogios, mas também críticas. Fica totalmente vulnerável. Situação um tanto desconfortável essa, não é mesmo? Então, domine de uma vez por todas essa maldita dependência!

A salvação do ser humano existe: é parar de querer coisas do outro. Essa parte é infantil porque quer viver da compreensão alheia. Torno a dizer: é você quem precisa da sua compreensão. Além do que, ninguém é capaz de entender a gente cem por cento. Existem ainda aquelas pessoas que vivem afirmando que são carentes. Ora, isso é uma vergonha! Carência não significa que você precisa receber e sim dar. Dar para si mesma. Se preencher com seu próprio eu. Nada é mais importante que a sua aprovação, o seu amor, seus sentimentos e sensações.

Só para ilustrar, quero lhe dar um exemplo. Uma das melhores coisas no mundo não é ter o próprio dinheiro? Pois bem, quem tem esse privilégio faz e acontece; tem autonomia e é livre para escolher boa parte dos seus caminhos. Por outro lado, aquele que depende de outro financeiramente fica totalmente à mercê dele para tomar qualquer decisão que envolva dinheiro. Fica preso, atado.

Pois bem! Aplique agora essa situação na relação afetiva. É a mesma coisa. É terrível depender da atenção, do carinho, do incentivo, do apoio do outro para ficar bem, se sentir feliz. Em outras palavras, quero fazê-la entender que, se você está nessa carência, é apenas você que tem que se resolver. Carência significa que não estou fazendo o que preciso por mim. É uma relação íntima. Só você pode se preencher.

A ciumenta? Ah, essa sofre! Sofre porque ciúme é sinônimo de auto-estima abalada, de não valorização. A pessoa passa a exigir em demasia do parceiro, fica viciada no outro. Quanto mais ela exige, pior sua auto-estima. É um ciclo vicioso. Ciúme nada tem a ver com amor. O ciúme pode, inclusive, levar à loucura. Ele está voltado à atenção; a pessoa quer toda a atenção para si. Isso vira tragédia grega!

Veja bem: quanto mais madura você é, melhor serão seus relacionamentos, especialmente os afetivos. Significa que, quando você se aceita e se valoriza, se torna uma pessoa completa, despreocupada e espontânea. Resultado, só atrai coisas boas.

Pois é, gente, quando pararmos de nos submeter à aprovação e aceitação dos outros, nossos caminhos tenderão a fluir. Saiba que as forças espirituais só agem a nosso favor quando nos respeitamos, nos valorizamos. Então vamos lá: coloque-se sempre em primeiro lugar!

Luiz A. Gasparetto

Comentários

DO disse…
Gasparetoo é foda,Rodrigo. E vc fez muito bem em colocar esta mensagem show!!

Abração!!
Jana disse…
Essa lição eu já aprendi!

beijo
Quase Trinta disse…
Eu estou constante mente pensando nisso... em me agradar em primeiro lugar, em me amar... só conseguindo fazer isso, posso me doar a outro.
furanzao disse…
Gostei do texto...muito legal a mensagem (idéia)....

[]'s
Camila disse…
Olha que interessante, essa semana estou com esse pensa mento, de cuidar mais de mim, me amar e me bastar mais.

Ótimo texto e ótima reflexão!

Beijos!
Satine disse…
"A salvação do ser humano existe: é parar de querer coisas do outro."

Adoreiii !!!
E amei o final: coloque-se sempre em primeiro lugar!

Eu não poderia ter lido esse seu texto em melhor hora ! Obrigada ! hehehehehe

Beijos
Anônimo disse…
Poxa Rodrigo falou tudo .... é um sonho ser 100% independente ... mas é tão difícil acho que dá para arrumar um ponto médio em uma relação que tenho dependência :)
Renata disse…
É, parar de se preocupar com a opinião alheia na sociedade em que vivemos é praticamente impossível. Mas com esforço, tudo se consegue.

Beijos.
Sieger disse…
Essa lição eu acho que tenho que repetir de novo...
Ju... disse…
É...ninguém pode dar ao outro a responsabilidade de nossa felicidade...
Isso deve ser competência nossa!
Dany disse…
Nossa... foi uma super reflexão pra mim agora! Às vezes eu me deixo envolver pelas opiniões alheias, geralmente negativas e isso me deprime tanto! Preciso mesmo parar para me ouvir mais, fazer o que quero e penso, sem dar satisfações a ninguém!
Um ótimo texto!
Parabéns pela escolha!
Abraços
pulcro disse…
Texto phoda!
Altas risadas aqui....
...

Caminhar em solo firme significa saber que o caminho pode ser semelhante ao de muitos, mas o "meu caminhar" só depende de mim.

Somos únicos. E neste sentido, ricos, portanto!

Mas tudo é uma questão de visão, penso eu, de como "nos" vemos!

...
Gabrielle disse…
Quem não sabe, um dia acaba sendo obrigado a aprender esta lição.
Adoro isso.

ah, obrigada pelos imensos elogios, de verdade!

Beijos!
;*
Anônimo disse…
http://achatcialisgenerique.lo.gs/ commander cialis
http://commandercialisfer.lo.gs/ cialis prix
http://prezzocialisgenericoit.net/ acquisto cialis
http://preciocialisgenericoespana.net/ cialis
Anônimo disse…
http://prixviagragenerique50mg.net/ viagra
http://prezzoviagraitalia.net/ acquistare viagra
http://precioviagraespana.net/ generico viagra

Postagens mais visitadas deste blog

Apego

Um dia, o Buda estava sentado na floresta com alguns monges. Eles tinham acabado de almoçar e já iam começar um compartilhamento sobre o Dharma quando um fazendeiro se aproximou deles. O fazendeiro disse: “Veneráveis monges, vocês viram minhas vacas por aqui? E tenho dezenas de vacas e elas fugiram. Além disso, eu tenho cinco acres de plantação de gergelim e este ano os insetos comeram tudo. Eu acho que vou me matar. Eu não posso continuar a viver assim”.
O Buda sentiu forte compaixão pelo fazendeiro. Ele disse: “Meu amigo, me desculpe, não vimos suas vacas vindo nessa direção”. Quando o fazendeiro se foi, o Buda se voltou para seus monges e disse: “Meus amigos, sabem por que vocês são felizes? Porque vocês não têm vacas para perder” Buda era contra bens materiais? Não! Ele queria  apenas que não fôssemos apegados a elas! Devemos viver no mundo mas sem precisar dele, conviver, amar as pessoas, sem dependência, viver o agora sem expectativas pelo futuro, deixar o passado e viver a etern…

Estresse - Osho

Todas as metas pessoais são neuróticas. O homem sintonizado com a essência das coisas consegue entender, sentir que: "Eu não sou separado do todo, e não há necessidade de estar elegendo e procurando concretizar algum destino por mim conta. Os fatos estão acontecendo, o mundo continua girando - chame isso de Deus...   Ele está fazendo coisas. Elas acontecem por vontade própria. Não há necessidade de que eu trave alguma luta, faça qualquer esforço; não há necessidade de que eu lute por coisa alguma. Posso relaxar e simplesmente ser"   O homem essencial não é um fazedor. O homem acidental é um fazedor. Por isso, o homem acidental vive naturalmente com ansiedade, tensão, estresse, angústia, sentado o tempo todo sobre um vulcão. Esse vulcão pode entrar em erupção a qualquer momento, porque o homem vive num mundo de incertezas e acredita que pode tomar as coisas como certas. Isso gera tensão em seu ser: lá no fundo ele sabe que nada é certo.
O Tarô Zen, de Osho: Carta - Estres…

108 contos e Parábolas Orientais - Por Monja Coen

Sou do tipo que ama andar na livraria esperando que algum livro me escolha, sempre acabo na parte de livros espiritualistas, zens, etc. Essa semana fui escolhido por 108  Contos e Parábolas Orientais, são contos Zens, chamados também de koans o Osho e o SatyaPrem sempre contam algumas dessas histórias, eu até anotava algumas em um caderno, por que são de uma reflexão tão profunda, que precisam sempre ser revisitadas. Agora a maioria delas em um único livro facilita bastante... A monja Coen explica que a partir dos principais nomes da tradição budista que ela faz parte (Soto Zen Budismo) reuniou os principais contos e acrescentou uma reflexão para cada uma delas. É um livro ótimo, mas sou suspeito nessa avaliação.
Bjs.