Pular para o conteúdo principal


Coragem para Conquistar o Mundo


Uma nova era está à espera dos que se sentem dispostos a vencer o medo de ousar
Nesta semana quero reforçar alguns conceitos que vão fazer você caminhar alguns passos à frente. Já aprendemos que nossas atitudes determinam nosso destino, e mudar de atitude é mudar a cabeça, a nossa visão. Pois bem, é aí que começa o grande desafio. Para mudar, temos de ter coragem para abandonar o velho e adotar o novo. E o que mais atrapalha esse processo é o maldito medo. Enfrentar esse medo significa ousar, e quem não arrisca não conquista.

A origem do medo é simples: ele está na maldade que costuma povoar a cabeça das pessoas em geral. É, gente, o mundo é perverso. Maldade é a capacidade fantasiosa, uma distorção. E estamos viciados nessa distorção. Quer ver? Conheço um homem de quem todo mundo fala que só pensa em dinheiro. Ele realmente é uma pessoa próspera, começou muito cedo; uma criatura cheia de idéias. Só que, para concretizá-las, ele precisa de dinheiro. Se não tem, ele não faz e não se realiza. O barato desse rapaz é concretizar. E o povo só quer saber de criticá-lo. Assim é a maldade.
Eu também passei por isso. Para viabilizar meus projetos, precisei de dinheiro. Mas não é o dinheiro em si, mas sim a obra. Já ouvi, inclusive, que eu, Gasparetto, comercializei o espiritismo. Ora, faça-me o favor! É impressionante como o preconceito e a maldade impedem o ser humano de olhar a obra do indivíduo. Pensem nisso, viu gente?

Outra coisa que quero que vocês observem é essa tendência que temos para o mal; essa predileção de cultivar a fantasia catastrófica. Quando a gente dá ouvidos àqueles pensamentos ruins - as malditas amebas -, perdemos o entusiasmo, e o nosso espírito se fecha, bloqueando todos os caminhos. É aí que quero chegar. O medo segura e você paga o preço de não ter feito o que deveria, pois ele nega o nosso poder e a vida cheia de abundância. O medo é também a falta de coragem de falar NÃO para as amebas.

A coragem, pessoal, começa quando enfrentamos a cabeça mórbida. Fantasias destrutivas, fantasmas que inventamos, horrores e monstros são primitivos. Não é new age. A natureza não vai punir ninguém. Muito pelo contrário, ela só vai apoiar os corajosos. Vamos, então, fazer um novo mundo. Você quer a nova era? Chegou, então, a sua vez de fazer alguma coisa. Tenha coragem de ir para o novo. Desafie esse sistema que está cheio de maldade, de deformação, deturpação, doença, medo, culpa, covardia e traição.
Estamos numa guerra, sim! E precisamos lutar contra toda essa perversão. Sabemos que existem fraquezas e que elas precisam ser fortalecidas. Sabemos também da ignorância, que precisa ser esclarecida e nada mais. Vamos enxergar a claridade de um novo sentimento! A única coisa que segura a humanidade é a nuvem do medo e aqueles que se deixam dominar por ela. Ou aqueles que não têm coragem de assumir o próprio espírito. Não é fácil, mas é o único caminho que temos para uma vida melhor.

Desperte para a nova era. As forças espirituais estão fazendo de tudo por nós. Fortalecendo, inclusive, as novas idéias. Vamos escrever a nova história com a caneta das nossas atitudes. Para tanto, você precisa olhar para si mesma com integridade e orgulho. "Eu sou, eu posso, eu faço e sou maravilhosa. Sou inteiramente incorreta para esse mundo e perfeita para criar um novo mundo." A força dessas idéias revitaliza, revigora e abre portas.

Gasparetto

---

Ótima reflexão para ontem, hoje e sempre, ter uma nova visão do mundo, ter um novo pensamento, fazer diferente, isso é ser você. A única coisa que deve fazer você mudar é você não estar bem com o que você é, se você se sente bem com medo, com preocupações, achando que algo "pode" dar errado, ótimo! Siga sua vida, porque ela não tem regras, mas a experiência tem mostrado que esse tipo de pensamento e atitude sempre se somatiza em nosso dia a dia.

Comentários

...

Há dois milênios atrás, o Mestre de Luz disse aos seus discípulos:

"Se tiverdes fé como um grão de mostarda, direis a este monte: Passa daqui para acolá, e ele passará. Nada vos será impossível".

Sim, de fato, podemos fazer e realizar. Dependerá de nossa reação às ações que tivermos que enfrentar.

Gasparetto, inspirado nesses ensinos, revelou muito bem o que a nossa mente (ele chama "força da idéia" e "força do pensamento") é capaz de realizar.

Abraço grande!

...
Camila disse…
Tô tentandooooo!
"Eu sou, eu posso, eu faço e sou maravilhosa. Sou inteiramente incorreta para esse mundo e perfeita para criar um novo mundo."
Vou repetir... repetir... repetir...

Beijo
DO disse…
Deixou-me todo reflexivo aqui,Rodrigo.
Pior que não é facil

:(

Abraços!
Rodrigo Brower disse…
Fácil não é, é questão de treino, estamos acostumados, treinados para o negativo, para as crises, para o "pior", sempre espera-se o pior, qdo acontece algo bom muitas vezes, as pessoas até comentam..tem algo estranho..qdo a esmola é demais o santo desconfia..Eu me coloquei a acreditar sempre e apenas no bem! No melhor..faça um teste..um dia..uma semana..e veja a diferença!
Jana disse…
muito interessante, estou aqui pensando com meus botões...

beijos
Pedro disse…
O medo de falar não é o pior dos medos.
GUILHERME PIÃO disse…
É não ficar parado e deixar o mundo passar.
Abraços
Michel souza disse…
Realmente é complicado tirar certos vícios de vida que adquirimos com o passar do tempo, o comodismo é mais seguro, mais fácil...
Ju... disse…
Abandonar o antigo e ousar é mesmo muito difícil! Mas, eu também acho que vale à pena...
Antes de posições firmes, talvez seja mais inteligente podermos reconsiderar!
Bacana seu blog!

Postagens mais visitadas deste blog

Apego

Um dia, o Buda estava sentado na floresta com alguns monges. Eles tinham acabado de almoçar e já iam começar um compartilhamento sobre o Dharma quando um fazendeiro se aproximou deles. O fazendeiro disse: “Veneráveis monges, vocês viram minhas vacas por aqui? E tenho dezenas de vacas e elas fugiram. Além disso, eu tenho cinco acres de plantação de gergelim e este ano os insetos comeram tudo. Eu acho que vou me matar. Eu não posso continuar a viver assim”.
O Buda sentiu forte compaixão pelo fazendeiro. Ele disse: “Meu amigo, me desculpe, não vimos suas vacas vindo nessa direção”. Quando o fazendeiro se foi, o Buda se voltou para seus monges e disse: “Meus amigos, sabem por que vocês são felizes? Porque vocês não têm vacas para perder” Buda era contra bens materiais? Não! Ele queria  apenas que não fôssemos apegados a elas! Devemos viver no mundo mas sem precisar dele, conviver, amar as pessoas, sem dependência, viver o agora sem expectativas pelo futuro, deixar o passado e viver a etern…

Estresse - Osho

Todas as metas pessoais são neuróticas. O homem sintonizado com a essência das coisas consegue entender, sentir que: "Eu não sou separado do todo, e não há necessidade de estar elegendo e procurando concretizar algum destino por mim conta. Os fatos estão acontecendo, o mundo continua girando - chame isso de Deus...   Ele está fazendo coisas. Elas acontecem por vontade própria. Não há necessidade de que eu trave alguma luta, faça qualquer esforço; não há necessidade de que eu lute por coisa alguma. Posso relaxar e simplesmente ser"   O homem essencial não é um fazedor. O homem acidental é um fazedor. Por isso, o homem acidental vive naturalmente com ansiedade, tensão, estresse, angústia, sentado o tempo todo sobre um vulcão. Esse vulcão pode entrar em erupção a qualquer momento, porque o homem vive num mundo de incertezas e acredita que pode tomar as coisas como certas. Isso gera tensão em seu ser: lá no fundo ele sabe que nada é certo.
O Tarô Zen, de Osho: Carta - Estres…

108 contos e Parábolas Orientais - Por Monja Coen

Sou do tipo que ama andar na livraria esperando que algum livro me escolha, sempre acabo na parte de livros espiritualistas, zens, etc. Essa semana fui escolhido por 108  Contos e Parábolas Orientais, são contos Zens, chamados também de koans o Osho e o SatyaPrem sempre contam algumas dessas histórias, eu até anotava algumas em um caderno, por que são de uma reflexão tão profunda, que precisam sempre ser revisitadas. Agora a maioria delas em um único livro facilita bastante... A monja Coen explica que a partir dos principais nomes da tradição budista que ela faz parte (Soto Zen Budismo) reuniou os principais contos e acrescentou uma reflexão para cada uma delas. É um livro ótimo, mas sou suspeito nessa avaliação.
Bjs.