Pular para o conteúdo principal

Frio e leitura


Comecei a ler " A Queda de Atlântida" da Marion Zimmer Bradley. São apenas 201 páginas, então será uma leitura rápida, o livro faz parte do ciclo de "As Brumas de Avalon" e se remete a um tempo anterior a Avalon, na antiga Atlântida. Vou reler as Brumas e estou lendo na sequência cronologica os livros da série, pois a Marion fez vários livros que falam sobre as reencarnações anteriores de algumas personagens e como se deu todo o contexto de Avalon, depois desse passo para "Os Ancestrais de Avalon".

O livro fala sobre Domaris e Deoris são duas irmãs que perderam a mãe aquando o nascimento de Deoris. Domaris é Sacerdotisa iniciada da luz e encontra o amor ao lado de Micon, um Sacerdote Atlante da luz, que devido à tortura a que foi submetido vive apenas para ter um filho ao qual transmitir o Poder que lhe foi conferido por Herança. Deoris, por sua vez, é uma criança escriba, demasiado petulante para qualquer um excepto a irmã Domaris a quem tem como uma mãe. Mas será que, tal como a irmã, Deoris está destinada a abraçar o lado da Luz?

Algo curioso demonstrado no livro é, na verdade, a dualidade entre as duas irmãs. Se, por um lado, se poderia esperar que Domaris fosse um poço de virtudes devido à sua condição, tal facto não se confirma. Domaris consegue por mais do que uma vez ser incrivelmente egoísta e arrogante, apesar de na maioria do tempo ter uma passagem equilibrada pela narrativa. Por outro lado, Deoris - que no início do livro é inevitavelmente rotulada como a personagem mais mimada do século - vai revelando uma presença de espírito natural e inesperada. Talvez o efeito seja criado pela narrativa, a qual vai formando, sem que o leitor se aperceba, uma envolvência entre a personagem e o leitor a tal ponto que acaba por - tal como Deoris - não ter a noção de alguns actos e da consequência dos mesmos. A noção, essa, recuperamo-la com a própria Deoris, numa parte final do livro de leitura de certo modo mais simples e simultaneamente mais agradável.

E com o frio que está aqui em São Paulo, está bem convidativo para uma boa leitura.

Bjs

Obs. A sinopse eu li aqui, pois ainda não li o livro ^^

Comentários

FOXX disse…
eu gostei mto de Brumas mesmo...

Postagens mais visitadas deste blog

Apego

Um dia, o Buda estava sentado na floresta com alguns monges. Eles tinham acabado de almoçar e já iam começar um compartilhamento sobre o Dharma quando um fazendeiro se aproximou deles. O fazendeiro disse: “Veneráveis monges, vocês viram minhas vacas por aqui? E tenho dezenas de vacas e elas fugiram. Além disso, eu tenho cinco acres de plantação de gergelim e este ano os insetos comeram tudo. Eu acho que vou me matar. Eu não posso continuar a viver assim”.
O Buda sentiu forte compaixão pelo fazendeiro. Ele disse: “Meu amigo, me desculpe, não vimos suas vacas vindo nessa direção”. Quando o fazendeiro se foi, o Buda se voltou para seus monges e disse: “Meus amigos, sabem por que vocês são felizes? Porque vocês não têm vacas para perder” Buda era contra bens materiais? Não! Ele queria  apenas que não fôssemos apegados a elas! Devemos viver no mundo mas sem precisar dele, conviver, amar as pessoas, sem dependência, viver o agora sem expectativas pelo futuro, deixar o passado e viver a etern…
"Você só se harmoniza com as leis da prosperidade quando pode se libertar do medo da pobreza que faz você perseguir o dinheiro e colocá-lo em primeiro lugar, o que pode, durante uma fase da sua encarnação até fazer com que você acumule alguma coisa, mas não significa que a prosperidade lhe visitou. Porque ter coisas não significa ser próspero. O fato de você ter não significa que se harmonizou com as leis da abundância. É possível que a prosperidade e a abundância te visitem apenas se você se libertou do medo da escassez e experienciou a plenitude. Então, todo o tesouro do universo está a sua disposição, mas você não se apega a nada porque sabe que não é seu; apenas está ali para você usar e servir ao propósito divino. Essa é a verdadeira riqueza e a grande sabedoria: Você usufruir das belezas do mundo, mas não ser escravo dele". 
Sri Prem Baba
---
Segunda começo um novo ciclo, estou de trabalho novo. Muito bom ter seu currículo reconhecido e na primeira entrevista depois do úl…

Estar junto não é estar presente!

Estar junto não é o mesmo de estar presente, porque pode-se estar longe e se fazer notar, pode-se não se ver e se fazer sentir.
Se fazer presente é algo que está nos detalhes. Uma ligação fora de hora, uma mensagem no meio da madrugada, o carinho na voz, uma visita surpresa, todos pequenos detalhes que somados fazem a grande diferença.
Mas cada um é o que é, sabe o que sabe, ninguém pode cobrar nada de ninguém, esses detalhes devem ser  espontâneos e não exigidos! Por isso que amor não se declara, mas se demonstra. Enfim, Next! E roda da vida não para de girar..
Ótimo domingo!