Pular para o conteúdo principal

Estar junto não é estar presente!

Estar junto não é o mesmo de estar presente, porque pode-se estar longe e se fazer notar, pode-se não se ver e se fazer sentir.
Se fazer presente é algo que está nos detalhes. Uma ligação fora de hora, uma mensagem no meio da madrugada, o carinho na voz, uma visita surpresa, todos pequenos detalhes que somados fazem a grande diferença.
Mas cada um é o que é, sabe o que sabe, ninguém pode cobrar nada de ninguém, esses detalhes devem ser  espontâneos e não exigidos! Por isso que amor não se declara, mas se demonstra. Enfim, Next!
E roda da vida não para de girar..

Ótimo domingo!

Comentários

Sandra Timm™ disse…
Ah, Rodrigo, como tenho sentido isso: pessoas junto que não estão presentes e pessoas longe que estão mais presentes do que nunca. Pessoas estranhas que se tornaram mais importantes que aquelas que pareciam ser amigas e aquelas que pareciam ser amores se omitindo....

Aí voc^cria o confronto... não há como não fazer uma comparação... e como é difícil arrancar esses espinhos....

Estou precisando queixar-me às rosas... mas que bobagem...

Enfim... conclusões difíceis, porque é difícil ver quilo que não gostaríamos de ver....

Mas sempre chega a hora. Acho que a minha chegou.

Obrigada pelo lindo post.

Beijo
Rodrigo Brower disse…
Nossa eu que agradeço o comentário tão sincero Sandra! Essas conclusões realmente doem, mas qto mais demoramos pior a dor..Bjs linda!
Dany disse…
Super me identifiquei com o post e adorei o que a Sandra citou acima! Acho que todos estamos passando pela mesma situação e o melhor antes de qquer coisa: é reconhecer que mesmo acompanhados, estamos sozinho... e isso não nos faz bem!
É fechar a conta, passar a régua e ir pro próximo bar (ou como vc mesmo disse, aquele velho barzinho de antes!).
;)

Bjos
Anônimo disse…
É mesmo, por mais que desejamos isso, ou não, o tempo não volta, não é tão fácil se fazer presente de verdade, e não é voltando a algo que já não deu certo que acontecerá... a mudança é ainda mais complicada para acreditarmos tão cegamente... boa semana!
Mauri Boffil disse…
ai, ando sentindo isso...
mas prefiro não sentir...
e beber!
Einstein² disse…
Coisas assim estão quase que rotinárias em minha vida! Ai ai, que fazer?! Boa escrita brother! Bjão
Ale Danyluk disse…
Espontaneidade é tudo !!!!
E acaba servindo de termômetro pra gente se tocar na temperatura que anda o relacionamento presente ou futuro.
Só é duro esperar isso acontecer sem que haja cobranças...
E dá-lhe boas doses de paciência,

Mas vale a pena sempre.
Estamos torcendo Rô ...

Como vc mesmo disse: Amor não se declara, se demonstra. Vou fazer dessa sua frase , um mantra.

Bjo e bom feriado.
Lou disse…
A fila anda... Às vezes vira um círculo e volta...
Beijos
Anônimo disse…
http://prixviagrageneriquefrance.net/ achat viagra
http://commanderviagragenerique.net/ prix viagra
http://viagracomprargenericoespana.net/ viagra
http://acquistareviagragenericoitalia.net/ viagra acquistare
Rodrigo ..como eu precisava ler isso .....nesse momento da minha vida .....palavras que fazem a diferença..bjuuu

Postagens mais visitadas deste blog

Apego

Um dia, o Buda estava sentado na floresta com alguns monges. Eles tinham acabado de almoçar e já iam começar um compartilhamento sobre o Dharma quando um fazendeiro se aproximou deles. O fazendeiro disse: “Veneráveis monges, vocês viram minhas vacas por aqui? E tenho dezenas de vacas e elas fugiram. Além disso, eu tenho cinco acres de plantação de gergelim e este ano os insetos comeram tudo. Eu acho que vou me matar. Eu não posso continuar a viver assim”.
O Buda sentiu forte compaixão pelo fazendeiro. Ele disse: “Meu amigo, me desculpe, não vimos suas vacas vindo nessa direção”. Quando o fazendeiro se foi, o Buda se voltou para seus monges e disse: “Meus amigos, sabem por que vocês são felizes? Porque vocês não têm vacas para perder” Buda era contra bens materiais? Não! Ele queria  apenas que não fôssemos apegados a elas! Devemos viver no mundo mas sem precisar dele, conviver, amar as pessoas, sem dependência, viver o agora sem expectativas pelo futuro, deixar o passado e viver a etern…

Estresse - Osho

Todas as metas pessoais são neuróticas. O homem sintonizado com a essência das coisas consegue entender, sentir que: "Eu não sou separado do todo, e não há necessidade de estar elegendo e procurando concretizar algum destino por mim conta. Os fatos estão acontecendo, o mundo continua girando - chame isso de Deus...   Ele está fazendo coisas. Elas acontecem por vontade própria. Não há necessidade de que eu trave alguma luta, faça qualquer esforço; não há necessidade de que eu lute por coisa alguma. Posso relaxar e simplesmente ser"   O homem essencial não é um fazedor. O homem acidental é um fazedor. Por isso, o homem acidental vive naturalmente com ansiedade, tensão, estresse, angústia, sentado o tempo todo sobre um vulcão. Esse vulcão pode entrar em erupção a qualquer momento, porque o homem vive num mundo de incertezas e acredita que pode tomar as coisas como certas. Isso gera tensão em seu ser: lá no fundo ele sabe que nada é certo.
O Tarô Zen, de Osho: Carta - Estres…

108 contos e Parábolas Orientais - Por Monja Coen

Sou do tipo que ama andar na livraria esperando que algum livro me escolha, sempre acabo na parte de livros espiritualistas, zens, etc. Essa semana fui escolhido por 108  Contos e Parábolas Orientais, são contos Zens, chamados também de koans o Osho e o SatyaPrem sempre contam algumas dessas histórias, eu até anotava algumas em um caderno, por que são de uma reflexão tão profunda, que precisam sempre ser revisitadas. Agora a maioria delas em um único livro facilita bastante... A monja Coen explica que a partir dos principais nomes da tradição budista que ela faz parte (Soto Zen Budismo) reuniou os principais contos e acrescentou uma reflexão para cada uma delas. É um livro ótimo, mas sou suspeito nessa avaliação.
Bjs.