Pular para o conteúdo principal

Buda

     
     Buda é o ser iluminado. Buda é a pessoa que desperta. Buda é Sabedoria.

     Buda é Compaixão. Buda é Xaquiamuni, o príncipe Sidarta Gautama, após uma semana de zazen (sentado só sob uma árvore, como na solitária), tendo passado por todas as tentações dos diabos (dualidades, divisões, ódios, desejos, rancores, aversões), ao ver a estrela da manhã exclama: "Eu e todos os seres da grande Terra simultaneamente nos tornamos o Caminho".

      O "eu" são todos os seres da grande Terra. Budas são tantos quanto são os grãos de areia - incontáveis, infinitos.

      Assim são Budas. Leves como borboletas, pesados como chumbo. Cada um de nós é manifestação da Terra. A vida de todos os seres da Terra se manifesta em cada um de nós.

      Mas é preciso praticar Buda. Falar Buda, pensar Buda e agir Buda. Iluminação. Sabedoria. Compaixão.

      Ah! Se pudermos abrir os corações-mente de todos os seres. Se pudermos nos libertar das amarras diabólicas (diabo de dois, de dual, de separar), todos poderemos brincar na Terra Pura.

      Budas e mais Budas compartilhando a vida, em plenitude.

     Com suficiência de alimentos e de bebidas. Trabalho, diversão, em profusão. Com amor e afinidades. Conflitos resolvidos sem violência, na maior tranqüilidade. Saúde e escolas bem servidas. Mestras ensinando, pajés curando, formando, sem discriminações. A trans-disciplinar-idade. Em cada disciplina o complemento que forma seres humanos livres e capazes.

      Capazes de ser Buda. Capazes de permitir que Buda se manifeste livremente em seus corpos e mentes.

      Buda que é capaz de compreender todos os seres, todos os pensamentos, todas as emoções, confusões e discernimentos.

      Buda que é capaz de transformar sentimentos, emoções, pensamentos, palavras, gestos e ações prejudiciais em benéficos.

      Buda líder amoroso, que cuida com ternura.

      Buda 1íder rigoroso, que ensina, com firmeza. Mas sem dureza. Sem matar, sem ferir, sem violentar.

      Desperte. Buda se aproxima. Abra seu coração e esqueça a rixa, a briga, o desafeto. Desacato passa e não me pega, que meu Ser é mais rápido que um raio. Voa livre no vazio. Vazio repleto de todas as possibilidades.

      Escolha. Junto comigo. Escolha a não-violência ativa.

      Há tanto a mudar. Bilhões de dólares? Não. Bilhões de pessoas, de seres, dementes. Que não são objetos. São sujeitos. Sujei­tos que não se sujeitam ou não devem se sujeitar aos abusos, injustiças, falta de oportunidade, de comida, de respeito, de acolhida.

      Hospital acolhe, hospitalidade recebe com alegria. Bem vindas criaturas de todas as espécies e cores. Cada forma de vida é significativa e importante.

      Não destrua Buda. Não mate Buda. Não afogue a verdade que é minha e que é sua: somos um só corpo e uma só vida.

      Invoco Buda em você. Invoco Buda em mim. Invoco Buda em todo as direções - norte, sul, leste, oeste, nordeste, sudeste, noroeste, sudoeste, para cima e para baixo. Invoco Buda em todos os tempos - ontem, hoje, amanhã. Invoco todos os Budas.

      Desperta, humanidade. Cessa guerras e violências, cessa abusos e maldades.

      Unidos, organizados, braço com braço, lado a lado, formaremos uma grande roda, um grande círculo de luminosidade inefável. Protegeremos a Terra, nossa mãe, nossa vida, nossos filhos e filhas com a força da bondade.
Buda é o uno, a unicidade.

Monja Coen

Comentários

FOXX disse…
qual sua religião, rodrigo?
Rodrigo Brower disse…
Fox não me fecho em uma religião, eu vivo o Yoga que é uma filosofia de vida, me considero um espiritualista... ^^
Will disse…
Que início excelente de semana ao ler esse texto. Perfeito!

Buda, eu quero ser Um Deles. Um ser iluminado.

Obrigado pelo texto Rodrigo. Falou tão próximo do meu coração.

Te amo meu irmão...
Obrigado por ser essa Luz em minha vida...

Bjos e excelente semana a todos!
Pedro disse…
Sou muito ignorante nesses temas orientais... rs
PULCRO disse…
Arrasou no texto. Estava precisando.
Beijos,
Pulcro.

Postagens mais visitadas deste blog

Apego

Um dia, o Buda estava sentado na floresta com alguns monges. Eles tinham acabado de almoçar e já iam começar um compartilhamento sobre o Dharma quando um fazendeiro se aproximou deles. O fazendeiro disse: “Veneráveis monges, vocês viram minhas vacas por aqui? E tenho dezenas de vacas e elas fugiram. Além disso, eu tenho cinco acres de plantação de gergelim e este ano os insetos comeram tudo. Eu acho que vou me matar. Eu não posso continuar a viver assim”.
O Buda sentiu forte compaixão pelo fazendeiro. Ele disse: “Meu amigo, me desculpe, não vimos suas vacas vindo nessa direção”. Quando o fazendeiro se foi, o Buda se voltou para seus monges e disse: “Meus amigos, sabem por que vocês são felizes? Porque vocês não têm vacas para perder” Buda era contra bens materiais? Não! Ele queria  apenas que não fôssemos apegados a elas! Devemos viver no mundo mas sem precisar dele, conviver, amar as pessoas, sem dependência, viver o agora sem expectativas pelo futuro, deixar o passado e viver a etern…

Estresse - Osho

Todas as metas pessoais são neuróticas. O homem sintonizado com a essência das coisas consegue entender, sentir que: "Eu não sou separado do todo, e não há necessidade de estar elegendo e procurando concretizar algum destino por mim conta. Os fatos estão acontecendo, o mundo continua girando - chame isso de Deus...   Ele está fazendo coisas. Elas acontecem por vontade própria. Não há necessidade de que eu trave alguma luta, faça qualquer esforço; não há necessidade de que eu lute por coisa alguma. Posso relaxar e simplesmente ser"   O homem essencial não é um fazedor. O homem acidental é um fazedor. Por isso, o homem acidental vive naturalmente com ansiedade, tensão, estresse, angústia, sentado o tempo todo sobre um vulcão. Esse vulcão pode entrar em erupção a qualquer momento, porque o homem vive num mundo de incertezas e acredita que pode tomar as coisas como certas. Isso gera tensão em seu ser: lá no fundo ele sabe que nada é certo.
O Tarô Zen, de Osho: Carta - Estres…

108 contos e Parábolas Orientais - Por Monja Coen

Sou do tipo que ama andar na livraria esperando que algum livro me escolha, sempre acabo na parte de livros espiritualistas, zens, etc. Essa semana fui escolhido por 108  Contos e Parábolas Orientais, são contos Zens, chamados também de koans o Osho e o SatyaPrem sempre contam algumas dessas histórias, eu até anotava algumas em um caderno, por que são de uma reflexão tão profunda, que precisam sempre ser revisitadas. Agora a maioria delas em um único livro facilita bastante... A monja Coen explica que a partir dos principais nomes da tradição budista que ela faz parte (Soto Zen Budismo) reuniou os principais contos e acrescentou uma reflexão para cada uma delas. É um livro ótimo, mas sou suspeito nessa avaliação.
Bjs.