Pular para o conteúdo principal

Acabei de assistir o filme "Dúvida" com a Meryl Streep, é uma história intrigante e que emociona.

Em uma Igreja Católica no ano de 1964 no Bronx, o filme começa com o padre Flynn (Phillip Seymour Hoffman) dando um sermão sobre a natureza da dúvida constatando que, como a fé, ela pode ser uma força unificadora entre as pessoas. À noite, a irmã Aloysius (Meryl Streep), a diretora rigorosa da escola católica, discute o sermão com as suas colegas freiras. Ela pergunta se algumas delas têm observado qualquer comportamento anormal na escola do padre, dando motivo para ele pregar sobre dúvidas, e pede que se mantenha os olhos abertos para qualquer tal comportamento. A irmã James (Amy Adams), uma jovem e ingênua professora, observa a proximidade entre o Padre Flynn e um jovem estudante. A irmã Aloysius, uma freira que desconfia do excessivo interesse do respeitado sacerdote católico, o padre Flynn, por um jovem estudante negro. Aloysius desconfia que Flynn esteja abusando sexualmente do menino. Os dois entram em um combate verbal violento para esclarecer o caso. Ela confronta o padre e apesar de nenhuma prova e nenhum apoio da mãe do garoto, ela exige que ele lhe diga a verdade. Daí o desenrolar..só fica sabendo quem assistir...

A cena final é emocionante, e a meu ver amarra a história de forma extraordinária, não vou contar detalhes pra não tirar a surpresa de quem for assistir. Fica a dica para essa sexta feira gelada! Bjs

Comentários

Sandra Timm™ disse…
Esse filme pra mim foi uma grande decepçao... Eu estava numa espectativa imensa, atores talentosissimos, a critica excelente e eu ansiando pela estreia... Juro que fiquei com uma sensaçao amarga... entao concluo devo ser muito burra pq realmente me frustrei!
Lou disse…
AAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHHH!!!!
Eu tô desesperada pra assistir esse filme.
Espera eu entrar de férias pra vc ver, espera!

Acho ótimo fazermos o dia do solteiro, mas eu pensei que vc estava namorando!

Beijo
Rodrigo Brower disse…
eu tb pensei..rs..¬¬ mas os ventos sopram rápido...
Mô. disse…
Parece ser interessante, anotarei a dica!
Queria alugar uns filmes esse fim de semana, mas tenho muita coisa pra ler e não sei se seria uma boa idéia...
Bjs
Su disse…
Valeu a dicaaaaa!!!!!
Aqui é sempre bom!
Bjos

Postagens mais visitadas deste blog

Apego

Um dia, o Buda estava sentado na floresta com alguns monges. Eles tinham acabado de almoçar e já iam começar um compartilhamento sobre o Dharma quando um fazendeiro se aproximou deles. O fazendeiro disse: “Veneráveis monges, vocês viram minhas vacas por aqui? E tenho dezenas de vacas e elas fugiram. Além disso, eu tenho cinco acres de plantação de gergelim e este ano os insetos comeram tudo. Eu acho que vou me matar. Eu não posso continuar a viver assim”.
O Buda sentiu forte compaixão pelo fazendeiro. Ele disse: “Meu amigo, me desculpe, não vimos suas vacas vindo nessa direção”. Quando o fazendeiro se foi, o Buda se voltou para seus monges e disse: “Meus amigos, sabem por que vocês são felizes? Porque vocês não têm vacas para perder” Buda era contra bens materiais? Não! Ele queria  apenas que não fôssemos apegados a elas! Devemos viver no mundo mas sem precisar dele, conviver, amar as pessoas, sem dependência, viver o agora sem expectativas pelo futuro, deixar o passado e viver a etern…

Estresse - Osho

Todas as metas pessoais são neuróticas. O homem sintonizado com a essência das coisas consegue entender, sentir que: "Eu não sou separado do todo, e não há necessidade de estar elegendo e procurando concretizar algum destino por mim conta. Os fatos estão acontecendo, o mundo continua girando - chame isso de Deus...   Ele está fazendo coisas. Elas acontecem por vontade própria. Não há necessidade de que eu trave alguma luta, faça qualquer esforço; não há necessidade de que eu lute por coisa alguma. Posso relaxar e simplesmente ser"   O homem essencial não é um fazedor. O homem acidental é um fazedor. Por isso, o homem acidental vive naturalmente com ansiedade, tensão, estresse, angústia, sentado o tempo todo sobre um vulcão. Esse vulcão pode entrar em erupção a qualquer momento, porque o homem vive num mundo de incertezas e acredita que pode tomar as coisas como certas. Isso gera tensão em seu ser: lá no fundo ele sabe que nada é certo.
O Tarô Zen, de Osho: Carta - Estres…

108 contos e Parábolas Orientais - Por Monja Coen

Sou do tipo que ama andar na livraria esperando que algum livro me escolha, sempre acabo na parte de livros espiritualistas, zens, etc. Essa semana fui escolhido por 108  Contos e Parábolas Orientais, são contos Zens, chamados também de koans o Osho e o SatyaPrem sempre contam algumas dessas histórias, eu até anotava algumas em um caderno, por que são de uma reflexão tão profunda, que precisam sempre ser revisitadas. Agora a maioria delas em um único livro facilita bastante... A monja Coen explica que a partir dos principais nomes da tradição budista que ela faz parte (Soto Zen Budismo) reuniou os principais contos e acrescentou uma reflexão para cada uma delas. É um livro ótimo, mas sou suspeito nessa avaliação.
Bjs.